• Miniatura
  • denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Empresa JBS retoma atividades em São Miguel do Guaporé mesmo com 266 empregados confirmados com COVID-19 em primeira leva de testagens

Empresa JBS retoma atividades em São Miguel do Guaporé mesmo com 266 empregados confirmados com COVID-19 em primeira leva de testagens

Para diminuir impacto de contaminação nos empregados, MPT e MP-RO pedem, em juízo proibição da realização de horas extras pela empresa enquanto durar pandemia, além de reiterar pedido de suspensão das atividades

Ji-Paraná – RO. Com determinação judicial, a empresa JBS iniciou a realização de testes rápidos em todos os seus empregados na unidade de São Miguel do Guaporé. A determinação abrange também o re-teste em todos aqueles que tiveram diagnóstico negativo, sendo que a empresa está retomando suas atividades antes da realização da retestagem. 

Conforme boletim do Departamento de Vigilância em Saúde de São Miguel do Guaporé/RO, no dia 06 de junho de 2020, o Município, de apenas 23 mil habitantes, contava com 441 (quatrocentos e quarenta e um) casos confirmados de COVID-19. Destes, tem-se que pelo menos 266 (duzentos e sessenta e seis) são de EMPREGADOS DA EMPRESA JBS, consoante se depreende das listagens de casos confirmados apresentadas pelo órgão de saúde do Município e pela própria JBS. 

Assim, mais de 60% de todos os confirmados do Município de São Miguel do Guaporé são empregados da empresa JBS, fora os que são parentes de empregados confirmados, o que provavelmente deve chegar à quase totalidade dos confirmados no Município.

O Ministério Público do Trabalho e o Ministério Público de Rondônia entendem que seria necessária a implementação de protocolo de testagem mais rigoroso antes do retorno às atividades, além do cumprimento integral das medidas liminares determinadas, como o afastamento de todos os empregados que tiveram contato com outros confirmados a pelo menos 1,5 metros de distância e a utilização de equipamentos de proteção individual mais adequados à atividade.

Não obstante, houve pedido do MPT e do MP-RO para a proibição da realização de horas extras pela empresa nesse período, a fim de diminuir os impactos de contaminação nos empregados.
Fonte: Procuradoria do Trabalho no Município de Ji-Paraná (PTM-JP)

Assessoria de Comunicação Social
(69) 99976-8753 | E-mail: prt14.ascom@mpt.mp.br

Imprimir

  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • meio ambiente
  • trabalho escravo
  • trabalho portuario
  • liberdade sindical
  • promocao igualdade
  • trabalho infantil